Os Berberes: Guardiões de uma cultura ancestral no norte da África

Embora os berberes se autodenominem “imazighen”, que significa “homens livres”, o termo “bereber” deriva da adaptação árabe “barbr” e da palavra grega “βάρβαρος”, que se traduz para o espanhol como “bárbaros”. No entanto, desde meados do século XX, tende-se a utilizar o termo “amazigh”, que é a designação original.

Essa denominação é comum no Marrocos e na Argélia.

ⴰⵎⴰⵣⵉⵖ  –  ⵉⵎⴰⵣⵉⵖⴻⵏ

– amazigh, em berbere-

Em vez de usar “bereber” para se referir a todas as etnias berberes, utiliza-se “Amazigh” para englobar povos como os Cabílios, Chleuh, Rifeños, Tuareg e outros.

Os amazigh ou berberes, são da região de Tamazgha, são pessoas pertencentes a um conjunto de etnias autóctones do norte da África. Portanto, não existe uma única etnia propriamente amazigh, mas sim um conjunto de povos autóctones do Norte da África que compartilham raízes e traços culturais.

Esses povos amazigh resistiram ao longo dos anos às invasões e à colonização por parte dos Gregos, Romanos, Árabes, Espanhóis e Franceses.

Eles se distribuem desde o oceano Atlântico até o oásis de Siwa, no Egito, e desde a costa do mar Mediterrâneo ao norte, até o Sahel, como limite sul.

Até a conquista das Ilhas Canárias, no século XV, a área dos povos berberes também abrangia as Ilhas Canárias, pois seus aborígenes eram de etnia berbere.

Na Antiguidade, os gregos conheciam os berberes como líbios, os egípcios os chamavam de mashauash, e os romanos os chamavam de numídios ou mauritanos.

Os Berberes: Guardiões de uma cultura ancestral no norte da África ~ O MUNDO ARABE
Deserto Tassili n’Ajjer

Não se sabe exatamente a origem dos amazigh, embora os sítios arqueológicos encontrados no Saara, como as pinturas rupestres no deserto Tassili n’Ajjer, remontem a presença do homem nessa parte da África por pelo menos 6000 anos a.C.

A Meseta de Tassili é uma área montanhosa no meio do deserto do Saara, no sudeste da Argélia. Devido à sua cultura essencialmente oral, sua história se baseia nos relatos dos gregos, romanos e fenícios, bem como do Antigo Egito.

Os Berberes: Guardiões de uma cultura ancestral no norte da África ~ O MUNDO ARABE
Túmulo de Masinisa em El-Khroub, Argélia, 148 a.C.

Durante o período pré-romano, vários estados independentes foram estabelecidos antes que o rei Masinisa fundasse a Numídia e unificasse a região. Houve uma grande influência exercida pelas civilizações mais avançadas sobre os povos amazigh, incluindo a civilização egípcia.

Os fenícios, grandes navegadores, estabeleceram enclaves comerciais na região que se tornaram cidades importantes, criando um grande império comercial e militar no Mediterrâneo Ocidental. Nessas cidades, a população nativa, berbere, desempenhou um papel importante.

Tatuagens da Mulher Amazigh

As mulheres dessas etnias tinham tatuagens faciais como uma característica importante. Essas tatuagens tinham grande significado e história e serviam como símbolos de proteção contra perigos invisíveis, como espíritos. Alguns desenhos de tatuagens tinham um estilo e uma localização no corpo para oferecer proteção contra o mau-olhado.

De fato, o nome das tatuagens berberes é ‘Jedwel’, que significa Talismã. As tatuagens eram relevantes para os ritos de passagem e eram adicionadas em momentos-chave da vida. A primeira das tatuagens faciais é chamada de ‘Siyala’ e está no queixo.

Siyala muitas vezes assume a forma de uma tatuagem simbólica de palmeira, consistindo em uma linha reta simples da parte inferior do lábio até a parte inferior do queixo. Às vezes, essa linha era acompanhada por pontos que representavam sementes.

A segunda tatuagem é chamada ‘Ghemaza’ e é colocada entre as sobrancelhas. Esta tatuagem, quando posteriormente se estendia até a testa, era conhecida como ‘el-ayach’ e era um amuleto da sorte. No contexto amazigh, as mulheres historicamente eram tatuadas no rosto. Em tempos anteriores ao Islã.

No entanto, com a chegada do Islã, as coisas mudaram, e atualmente as tatuagens têm uma má imagem na sociedade dos países árabes. São consideradas haram ou pecado por amplos setores da sociedade, de acordo com a interpretação do hadith.

Assim, o costume de fazer tatuagens se perdeu, e ser tatuador não é uma profissão aceita nos países árabes do Magrebe e em outros países do mundo árabe.

Os Berberes na Idade Média

A chegada do Islã, disseminado pelos árabes e sírios, estava destinada a ter efeitos duradouros sobre o Magrebe onipresente.

A nova fé, em suas diversas formas, penetraria em quase todos os segmentos da sociedade, trazendo consigo exércitos, sábios, místicos e devotos.

Ela infiltraria em grande parte as práticas tribais, complicando e fragmentando-as devido às lealdades às novas normas sociais e expressões políticas.

A conquista do Magrebe pelo islã foi complicada e seguiu um longo processo com revoltas de caráter social.

Os berberes da região tinham uma cultura e costumes radicais, totalmente opostos às novas ordens impostas pelo Islã, como as representadas pelo matriarcado liderado por Kahina.

Al-Kāhina, que em árabe significa “a sacerdotisa”, foi uma rainha e guerreira berbere zenata, da tribo Yarawa. Ela lutou contra a expansão islâmica no norte da África durante o século VII, junto com Kusaila. Ela foi rainha das tribos nômades dos Yarawa e a principal figura da resistência à invasão árabe no Magrebe.

Várias dinastias berberes dominaram durante a Idade Média no Magrebe, nas regiões do Sudão, Itália, Mali, Níger, Senegal, Egito e Hispânia. Os berberes estavam divididos em duas ramificações (Botr e Barnes), que descendiam de Mazigh.

Cada região do Magrebe era composta por várias tribos, como Sanhaya, Hawwara, Zenata, Masmuda, Kutama, Awarba ou Barghawata, que tinham autonomia territorial e política.

A Conquista de Al-Andalus

Os muçulmanos que entraram na Península Ibérica em 711 não eram apenas árabes, também havia entre eles berberes.

Berberes, pertencentes às quatro grandes confederações de Matgara, Miknasa, Madyuna e Hawwara. Todos eles faziam parte da divisão berbere Botr, emigraram para a Península, hoje Espanha. A outra grande divisão berbere é Baranis, subdividida em Kutama, Zanata, Masmuda, Malila e Sanhaya.

Botr e Baranis são as duas primeiras tribos berberes da história. A maioria desses berberes deve ter chegado à península com Tariq ou imediatamente depois. Supostamente, os berberes ajudaram Abderramán I em Al-Andalus após o massacre de sua família, cuja mãe era berbere.

Durante o período das taifas, algumas dinastias eram berberes (como os ziríes, reis de Granada). O período das taifas terminou quando a dinastia berbere dos almorávidas assumiu o controle de Al-Andalus. Eles foram sucedidos pelos almóadas, outra dinastia berbere do Marrocos.

Na hierarquia de poder, os berberes estavam entre a aristocracia árabe e os muladis. A rivalidade étnica foi um dos fatores mais importantes que impulsionaram a política andalusina. Os berberes compunham até 20% da população do território muçulmano. Após a queda do califado, os governantes dos reinos das taifas de Toledo, Badajoz, Málaga e Granada eram berberes.

Os Amazigh na AtualidadeOs Berberes: Guardiões de uma cultura ancestral no norte da África ~ O MUNDO ARABE

Grande parte da população do norte da África é amazigh ou berbere. Além disso, a maioria de suas populações são descendentes de berberes arabizados. Portanto, cerca de 35% a 40% da população marroquina e de 20% a 25% dos argelinos podem identificar-se hoje como berberes, devido ao uso de uma língua berbere.

Embora a cultura atual de alguns grupos étnicos berberes, especialmente nas áreas urbanas, tenha se misturado com a de seus vizinhos magrebinos de língua árabe, diferenciando-se apenas pela língua, a maioria mantém hábitos culturais como vestimenta, festas, habitação, gastronomia e música, típicos das diversas culturas berberes.

Portanto, as estimativas mais altas da população de origem berbere podem incluir grupos étnicos que não falam uma língua berbere. Também existem pequenas populações berberes na Líbia, Tunísia e Mauritânia. E grupos muito pequenos no Mali, Burkina Faso, Egito e Níger.

O maior número de pessoas pertence aos grupos berberes da Argélia, os cabílios, que mantiveram em grande parte sua língua original e sua cultura. Os chleuh do sul do Marrocos, que somam cerca de oito milhões de pessoas. Há mais de 2 milhões de imigrantes berberes na Europa, especialmente os rifeños e os cabílios, na França, Países Baixos, Bélgica e Espanha.

Uma parte dos habitantes das Ilhas Canárias se considera descendente dos guanches, aborígenes de etnia berbere. A maioria dos berberes não era nômade, eram agricultores. Eles viviam nas montanhas relativamente próximas à costa do Mediterrâneo ou Atlântico e habitavam os oásis.

Os Berberes: Guardiões de uma cultura ancestral no norte da África ~ O MUNDO ARABE
Povo Berbere

Os berberes são descendentes de Canaã, filho de Cam e Noé. Desta linhagem descendia Berr, que tinha dois filhos, Baranis e Madghis al-Abtar. Todas as tribos descendem de um desses dois irmãos e foram classificadas em Baranes ou Botr.


Se você está pronto para começar a emocionante aventura de aprender árabe? entre em contato conosco agora! Estamos aqui para ajudá-lo. O que oferecemos:
Aulas interativas: Nossas aulas são dinâmicas e participativas. Você aprenderá de forma divertida e eficaz.
Professores nativos: temos instrutores nativos de árabe que o orientarão em todas as etapas do processo de aprendizagem.
Flexibilidade: você poderá estudar no conforto de sua casa e ajustar sua programação de acordo com sua disponibilidade.

Online Arabic tutors

Learn Arabic Online

Online Arabic tutors

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.